Dor crônica em idosos

A dor é considerada crônica quando recorre ou persiste por mais de 3 meses, quando persiste após 1 mês de resolução de uma lesão tecidual aguda ou quando acompanha uma lesão que não pode ser curada.

 

A dor crônica deve ser sempre valorizada e tratada, jamais subestimada. James Campbell (1996, Estados Unidos) nomeou a dor crônica como quinto sinal vital, dada o impacto que causa na vida de uma pessoa e também a nível de saúde pública.

 

A dor crônica pode afetar qualquer pessoa, independentemente da idade, sexo ou raça. A prevalência é maior nas mulheres e na população idosa. Isso ocorre em consequência do aumento das doenças crônicas á medida que envelhecemos, como as doenças osteomusculares e câncer.

 

A dor é experimentada e interpretada de forma individual. Pessoas com a mesma condição física podem relatar dor com diferentes características e uma mesma pessoa pode descrever sensações diferentes ao longo do tempo. A dor física sofre interferência do estado social, psicológico e espiritual da pessoa.

 

A dor pode gerar incapacidades e limitação funcional, com prejuízo à independência do idoso. Com isso, o sentimento de inutilidade, a depressão e o isolamento social são sérias consequências da dor crônica.

 

Por isso, a abordagem da dor não deve se limitar ao tratamento medicamentoso. Por mais medicamentos que existam, eles podem ser insuficientes se não houver uma investigação criteriosa da causa física, das comorbidades e da história de vida do idoso. Muitas vezes é necessária a intervenção de uma equipe multiprofissional, envolvendo o geriatra, o psicólogo, o fisioterapeuta e outros profissionais especializados.

 

Projeto Cuidar 

Geriatra 

Dra Eliza de Oliveira Borges

CRM-GO 14388 RQE: 9751

 

Contato: (62) 3218-5034

Endereço: Viva Bem – Rua 132, nº 159, Setor Sul – Goiânia – Goiás.

Site: https://geriatriagoiania.com.br

 

Sobre a Dra Eliza de Oliveira Borges 

– Graduação em Medicina pela Universidade Federal de Goiás;

– Residência em Clínica Médica e Geriatria pelo Hospital de Urgências de Goiânia (HUGO);

– Titulada em Geriatria pela Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia (SBGG);

– Pós-graduação em Cuidados Paliativos pelo Instituto PalliumLatinoamérica / Medicina Paliativa, Buenos Aires- Argentina;

– Integrante do Núcleo de Apoio ao Paciente Paliativo (NAPP), Hospital Alberto Rassi- HGG;

– Presidente da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia – Seção Goiás (gestão 2020-2022)

Mostre mais

Dra. Eliza de Oliveira Borges

Dra. Eliza de Oliveira Borges é Médica Geriatra.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Whatsapp
1
Agende sua consulta com a Dra Eliza!
Agende sua consulta com a Dra Eliza de Oliveira Borges!